o que fazer na lapinha da serra o que fazer na lapinha da serra

Descubra por que a Lapinha da Serra é o destino certo para curtir a temporada de calor em Minas Gerais

10 minutos para ler

O verão chegou e trouxe as habituais conversas sobre quais lugares serão escolhidos para passar a estação de uma maneira mais refrescante. Entre tantas opções para cumprir esse objetivo, as cachoeiras de Minas Gerais são verdadeiros destaques!

Em diversas partes do estado existem quedas d’água de tirar o fôlego e capazes de renovar as energias até mesmo do visitante mais desanimado. Além do mais, os morros e paredões de pedras que compõem a geografia mineira são alvos perfeitos para as câmeras fotográficas.

Todos esses traços de beleza estão presentes em um simpático cantinho da região da Serra do Cipó, a apenas 140 km de Belo Horizonte. A Lapinha da Serra traz o diminutivo no nome, mas é conhecida por proporcionar grandes momentos de alegria e sossego a quem passa por ela!

Por essas e outras é que decidimos trazer, neste post, uma perspectiva mais detalhada sobre a região, mostrando as principais cachoeiras e os aspectos que você deve levar em conta antes de pegar a estrada e conhecer a Lapinha. Venha com a gente!

5 cachoeiras da Lapinha da Serra que você não pode deixar de visitar

Por aqui o segredo para ter uma viagem bem-sucedida é se conectar 100% com a natureza. Logo nos primeiros 5 minutos de caminhada saindo do centro do vilarejo (a 12 km de estrada de terra do município de Santana do Riacho) você já vai se deparar com os rios e poços nos quais as cachoeiras desembocam.

O próximo passo, então, é escolher quais delas você vai visitar, tomando em conta critérios como a distância a pé (a maioria das cachoeiras não podem ser acessadas de carro), a dificuldade das trilhas e a disposição física para o passeio.

Vamos colocar agora a lupa em algumas das quedas d’água mais atrativas da Lapinha para que você consiga planejar a sua jornada.

Cachoeira do Boqueirão

cachoeira do boqueirão lapinha

É uma das cachoeiras mais tranquilas da região em termos de acesso, ideal se você viaja com crianças, por exemplo. Basta seguir caminhando após a rua principal por cerca de 5 minutos, à beira do rio que permeia o trajeto, para chegar à portaria do Boqueirão.

O custo de entrada por pessoa é de R$15 e é necessário preencher uma pequena ficha de registro ao chegar, para que os guias responsáveis pela área possam controlar o fluxo de pessoas e prestar auxílio caso ocorram incidentes na cachoeira.

Depois de uma subida simples de 10 minutos, a recompensa aos olhos e ao corpo aparecem com o grande poço do Boqueirão, totalmente convidativo para um mergulho. Há algumas pedras a poucos centímetros de profundidade, o que reforça a recomendação de não dar pulos radicais.

Com os cuidados sempre aconselháveis quando se trata de cachoeiras, você vai poder se deliciar durante horas com a água fria do Boqueirão!

Cachoeira das Pedras

cachoeira das pedras lapinha

Como o nome deixa claro, as pedras são protagonistas nessa queda d’água, cuja portaria está localizada a cerca de 5 minutos do Boqueirão. O esquema de entrada é parecido com o da cachoeira anterior, com o mesmo preço para o acesso individual.

A caminhada de 10-15 minutos também não oferece grandes desafios e riscos, mas a subida exige atenção a certas pedras escorregadias.

O espaço para o nado é menor que o do Boqueirão, mas igualmente relaxante e favorável para pessoas de diversas idades.

Cachoeira do Rapel

Se você é daqueles que gostam de passeios um pouco mais radicais, não vai se arrepender de continuar subindo após a Cachoeira das Pedras e conhecer a do Rapel, ponto mais alto da trilha.

O caminho até essa queda d’água é mais desafiador do que a anterior, com mais obstáculos de pedras e passagens mais estreitas entre as árvores. Mas nada que você não consiga superar, especialmente se as energias estiverem em dia.

Uma vantagem da Cachoeira do Rapel é a vista estonteante que ela oferece e que você pode desfrutar enquanto se refresca na água, já que está em uma das posições mais elevadas da Lapinha.

Ela também é uma das paradas mais interessantes para um descanso na rota até o Pico da Lapinha, que fica a quase 1700 metros de altura e a 10 km de caminhada (ida e volta).

Cachoeira Bicame

Prepare bem os pés para concluir com estilo a trilha até a cachoeira do Bicame, uma das mais longas de toda a região da Lapinha. Ela fica a 16 km do vilarejo e o percurso é marcado por uma flora diversa e cheia de vitalidade.

Se quiser reduzir um pouco o impacto da travessia a pé, você poderá percorrer 5km desses 16 de carro, chegando ao limite em que pode deixá-lo estacionado para retornar à Lapinha enquanto recarrega as baterias.

Os trechos até o Bicame não são íngremes e proporcionam uma caminhada amena pelas pequenas estradas rurais às margens da via dos pedestres.

Ao final da aventura, o encontro com o imponente paredão de 40 metros de altura e as faixas límpidas de água garante a sensação de ter valido a pena todo o esforço físico feito para chegar.

No entanto, precisamos deixar aqui uma dica valiosa que vai evitar decepções ao longo da trilha: saia cedo pela manhã!

A cachoeira do Bicame faz parte de uma reserva natural particular, com um limite de 30 visitantes por dia para amenizar o risco de contaminações e danos ao patrimônio biológico. Os amantes do ecoturismo não terão problemas em seguir essa recomendação, certamente!

Cachoeira do Lajeado

cachoeira do lajeado lapinha

Uma das trilhas mais procuradas pelos visitantes da Lapinha, sem dúvidas. O caminho até a Cachoeira do Lajeado tem uma extensão aproximada de 12 km (ida e volta), o que mostra a importância de um bom condicionamento físico para percorrê-la.

Por outro lado, o percurso é praticamente todo plano, favorecendo a contemplação dos detalhes da vegetação e dos relevos até a queda d’água.

Há algumas porteiras de propriedades privadas que você deverá abrir e fechar para chegar ao final, mas não precisa pagar para passar por elas.

Após uma longa andança, você será devidamente agraciado com a agradável piscina natural formada pela cachoeira, com impressionantes águas cristalinas e pequenos peixinhos que farão cócegas nos seus pés ao mergulhar.

Pontos importantes para a sua viagem à Lapinha da Serra

Sabemos que nos tempos atuais a informação vale ouro e pode nos poupar uma série de inconvenientes e imprevistos. Por isso vamos destrinchar agora algumas características da Lapinha da Serra que você deve levar em conta se decidir conhecer esse ícone natural de Minas Gerais.

Infraestrutura da região

Esteja você sozinho, acompanhado da pessoa amada ou de amigos do peito, a Internet não será uma grande protagonista na sua viagem à Lapinha, então prepare-se para não ter acesso a esse recurso durante esse período.

Não há cobertura de telefonia móvel no vilarejo, que tem uma população menor que 500 habitantes.

Fique atento à presença de pontos de acesso Wi-Fi na casa ou pousada em que vai se alojar. Uma boa dica é a de ler as avaliações de hóspedes anteriores para saber se a rede funciona bem no espaço escolhido.

Também é importante ter claro que as pernas serão o seu principal meio de transporte na Lapinha, que não tem postos de gasolina.

Pegue o carro para percorrer trechos de trilhas mais extensas, como o do Bicame, que mencionamos anteriormente, mas não espere usá-lo em muitas ocasiões. Mas não se preocupe, a maior parte dos deslocamentos entre as casas e pousadas e as trilhas podem ser feitos a pé em pouco tempo.

Os estabelecimentos comerciais da Lapinha só aceitam pagamentos em dinheiro. Portanto, não deixe de levar uma quantia razoável em espécie para fazer compras de diversos tipos, inclusive para garantir o acesso às cachoeiras pagas que citamos aqui.

Se precisar de atendimento médico você terá que ir ao município de Santana do Riacho, ao qual a Lapinha pertence como distrito, já que por lá não há farmácias ou centros hospitalares. Então, leve todos os medicamentos e itens de higiene que julgue necessários para a viagem.

Por outro lado, a economia local tem se tornado cada vez mais robusta em alternativas para os visitantes, especialmente no aspecto gastronômico. Ao redor da igrejinha você encontrará:

  • restaurantes aconchegantes;
  • bistrôs;
  • cafeterias;
  • pizzarias;
  • e outras deliciosas opções.

Também há uma boa oferta de serviços turísticos na Lapinha, como:

  • ingressos para visitas a locais com pinturas rupestres;
  • passeios de canoa;
  • áreas de camping credenciadas;
  • guias locais para trilhas mais desafiadoras.

Cultura local

Os moradores da Lapinha são exemplares na hospitalidade e no afeto com os visitantes que a escolhem como destino. Ao mesmo tempo, são bastante claros com uma nobre solicitação: que os turistas respeitem e ajudem a preservar os costumes locais.

Ao longo das ruas principais do vilarejo podemos ver uma série de placas que trazem orientações sobre comportamentos indesejáveis, como:

  • retirar plantas e animais encontrados na Lapinha;
  • ultrapassar os 20km/h ao dirigir nas ruas da vila;
  • andar pelas ruas vestindo somente roupas de banho;
  • fazer churrascos nos espaços verdes e cachoeiras;
  • usar equipamentos de som em volume alto nas ruas.

Resumindo, a fórmula infalível para curtir a Lapinha com tranquilidade: não infrinja as regras estabelecidas pelos locais e eles colaborarão com informações valiosas e outros tipos de necessidades durante a viagem!

Hospedagem

A Lapinha da Serra tem como uma de suas principais vantagens o amplo portfólio de alternativas de hospedagem, que mantém o estilo bucólico das atrações turísticas do local de forma impecável.

Existem muitos tipos de espaços em que você pode se instalar por lá, como bangalôs, casas com grandes áreas verdes e pousadas. Há diferentes faixas de preços e tamanhos, dependendo de quantos hóspedes participam da reserva em questão.

O maior canal de informações sobre hospedagens na região é o Portal da Lapinha, um site no qual você pode se registrar para receber ofertas dos anfitriões para um período determinado.

Como você viu neste artigo, a Lapinha da Serra não economiza em belezas naturais e em motivos para encantar os seus visitantes.

Gostou do nosso guia sobre essa terra cheia de paisagens inesquecíveis? Então, aproveite o embalo e leia também o nosso post sobre o que fazer em Diamantina, outro grande cenário natural de Minas Gerais!

Posts relacionados

4 thoughts on “Descubra por que a Lapinha da Serra é o destino certo para curtir a temporada de calor em Minas Gerais

  1. Amei a reportagem. Excelente conteúdo. Parabéns pelo blog 👏👏👏 Se puder colocar nos próximos se tem artesanato local seria ótimo. 😀

  2. Gostei muito do artigo sobre Lapinha… a vontade de conhecer aumentou!!!!! Dicas valiosas, principalmente para o “marinheiro de primeira viagem”. Alertar sobre o que encontrar, e com o que contar, na viagem à Lapinha é muito importante, pois nem sempre o turista se preocupa com tais detalhes. Numa época em que as pessoas ficam dependentes da tecnologia e das facilidades, viajar prevenido é fundamental. A viagem à Lapinha é para descansar, relaxar, fugir do “burburinho” e ter tempo para admirar a natureza.

Deixe um comentário